Sex is life.
Life is sex. Be sensual, use and abuse.
Like this post
Sem fôlego

Continuação do : O Início de Tudo.

Ele precisava de um momento para conseguir equilíbrio antes de perder controle e soltar a besta de dentro dele.

A observara, a seguira, e queria provar a essa ruiva com rosto de menina que ela nunca seria uma Dominatrix, não entendia e não sabia como ela podia ter arrumado tantos clientes em seu aprendizado.

Sua postura era totalmente de uma Sub.

No entanto ele estava malditamente duro depois que ela gozou em sua mão. O odor picante de sua essência no ar.

Até então ele queria castiga-la por querer ser Dominatrix e testa-la.

Mas ela era perfeita para ele. Ele saberia com o que ela podia lidar, como não fazia com nenhuma outra mulher. Ela era exatamente como ele tinha imaginado, sabia como ela reagiria a um homem forte e dominador e ela não o desapontou.

Ele estava só. Não queria e não tinha uma companheira fixa.Mesmo mantendo suas relações sexuais como casuais, sempre saía insatisfeito, almejando muito mais que um orgasmo com uma mulher.

Com um pouco de persuasão e uma boa foda,essa menina-mulher seria sua.

Entretanto, após ela gozar em sua mão; em sua mente, ela já era. E ela não fazia ideia, do quão poderosa ela era, que ela podia ser uma submissa sexual, mas guardava uma energia dentro de si, que o deixava duro de tesão.

Olhou na direção da mulher que queria, estava encadeada a sua frente, sucos deslizando por suas coxas internas à medida que ela esperava, molhada e pronta para ele. Seu pênis estava, furiosamente duro, pulsando dolorosamente, suas bolas apertadas contra o corpo dela e mais que pronto para foder.

Entre a boca dele nela, e sua boceta arranhando sua ereção, ele quase perdeu a paciência. Mas ele era o Mestre e Senhor daquele clube, tinha que ter controle sobre o tesão e desejo que o tomava.

Estava na hora de tomá-la, exatamente, do modo que queria.

Com toda calma que pode demonstrar, ele alcançou seus pulsos e os soltou, baixando-os ao seu corpo, assim ele podia massageá-la da palma até o ombro, deixando o sangue fluir de volta ao seus membros.

Satisfeito quando eles apresentaram um tom cor-de-rosa, ele olhou o quarto, sorrindo quando viu uma mesa pequena contra a parede.

Aquela mesa, serviria perfeitamente para o que tinha em mente.

Ele empurrou a mesa para frente dela. Na altura da cintura dela. Perfeito.

— Curve-se sobre a mesa.- ordenou com voz firme e de comando.

De propósito, ele manteve seus tornozelos encadeados no chão, entretanto, deixou a parte superior do corpo solto.

Ela não iria a lugar nenhum.

Ela o olhou de lado, exaltando a cor em suas bochechas e seus olhos faiscaram, quando ela se curvou, seus seios brancos e redondos apertados contra a madeira espessa da mesa.

Seu cabelo solto acima de suas costas e ombros, as mechas ruivas e brilhantes, sedosas a tocar o inchaço ao lado de seus seios. Ele deslizou seu dedo por suas costas, levemente.

Essa sim era uma grande vista. Curvada sobre a mesa com as pernas abertas, os lábios de sua boceta inchados e brilhando. Seu pau pulou com a visão daquele traseiro doce, tentando-o como um fruto proibido.

Só que o traseiro de Ayeska, não seria proibido. Não para ele. Logo ele iria fodê-la em todos os lugares. Mas agora, ele só queria afundar em seu quente e apertado canal vaginal. Naquela bocetinha lisinha e macia, tenra e quente.

Ele olhou o chicote com o que ela o ameaçou antes e o pegou, levantando-o e estalando-o contra sua palma.

Percebeu que ela ficou tensa.

— Você pensa que eu vou usar esse chicote em seu traseiro? — ele perguntou.

Ela não respondeu, então, ele deu uma batida leve com o chicote. As bochechas de seu traseiro se comprimiram, mas ela não fez nenhum som, então ele estalou em seu traseiro, novamente. Aí ela choramingou.

— Isso dói?

— Um pouco. — ela finalmente admitiu.

— Deixa você quente?

Ela não respondeu. Bom. Ele gostava dela um pouco desafiante. Mostrava que ela tinha coragem. A última coisa que queria era uma mulher fraca para foder e ser sua. Mas ela o desafiou, então, ela conseguiria um pouco mais de chicotadas. Dessa vez, ela gemeu.

Ele lançou o chicote sobre a cadeira.

— Eu penso que preferiria sentir seu traseiro contra minha mão. Eu quero sentir seu fogo e calor.

O primeiro tapa de sua mão contra suas nádegas foi fraco, mas suficiente para conseguir sua atenção. O segundo deixou uma marca vermelha em uma polpa. O terceiro a fez choramingar. -” Oh sim,” ele definitivamente gostava de sentir sua mão contra o traseiro redondo e branco dela, apreciava o modo como sua pele aquecia debaixo de sua palma. Alcançando entre suas pernas, sua boceta, saboreando a umidade morna, molhada fluindo dela.

-“Deus, ela estava tão quente” - quando ele esfregou de um lado para outro através de seu sexo suave, então retirou e a espancou novamente.

— Está bom? — Ele perguntou, uma vez mais, correndo sua mão entre suas pernas por sua boceta.

— Sim. — ela respondeu em um sussurro cansado.

— Quer mais?

— Sim! - respondi em alto e bom som.

"Se ele pensava por um minuto que estava no controle desta situação, estava redondamente errado."- pensei, mordiscando meu lábio inferior e esperando os próximos movimentos dele.

Apesar do tom imponente dela, toda sua choradeira e gemidos o fizeram mais duro, até que seu pau gritava por foder.

Mas primeiro, ele a queria perto de gozar. Alguns beijos, cuidadosamente, colocados em seu traseiro, seguido da invasão de seus dedos entre suas dobras suaves como manteiga, fodendo sua boceta com punhaladas duras e ela lambuzando sua mão, se movendo contra seus dedos e tentando tomar mais dele em seu interior. Ele queria aquela mesma resposta, quando seu pau estivesse dentro dela, suas bolas batendo contra seu clitóris e sua boceta o apertando, ordenhando até que ela gozasse nele..

Quando os músculos vaginais dela, apertaram ao redor de seus dedos, ele soube que estava na hora. Ela estava pronta e ele certo como o inferno que estava.

Posicionando-se entre suas pernas, ele sondou sua lisa abertura.

”- Maldição, estava molhada e pedindo por seu pau. Exatamente do modo que ele a queria. Ele era tão grande, que muitas mulheres tiveram dificuldade de tomá-lo todo. Ele queria ter certeza que Ayeska podia suportar, porque precisava estar enterrado até a base dentro dela.

Ele a queria totalmente submissa a ele.”

Deslizando a cabeça de seu pau entre suas dobras suaves, ela empurrou contra ele em resposta.

”- Caralho! Ela era tão apertada,e apertava duro, quando ele deslizou polegada por polegada dentro dela. Ele foi lento, parando quando ouvia seu gemido. Mas ela não pediu para parar e sua vagina continuou a ficar mais molhada, então, ele

continuou a empurrar dentro dela. Suas mãos agarraram a extremidade da mesa à medida que ele empurrava, sua boceta cercando seu pau com ondas de espasmos que ameaçaram seu controle.

"-Pergunto-me, quanto ela podia tomar, quanto do animal dentro dele ele podia soltar, especialmente esta primeira vez. Ela podia lidar com ele? Todo ele?

Tinha que saber a resposta para aquela pergunta.”

Fiquei tensa, esperando ele empurrar seu pau espesso dentro de mim. Ele era enorme, e apesar da minha lubrificação excessiva escorrendo de mim, estava tendo trabalho em aceitá-lo. Era como ser virgem novamente. Dóia, mas ao mesmo tempor me dava prazer.

— Eu estou machucando você?

Seu esforço por controle transparecia em sua pergunta. Notei a tensão e restrição em sua voz, quando ele foi para trás, ficando parcialmente fora. O fato de que ele mostrasse preocupação por ser, possivelmente, muito grande apesar dos meus sucos fluírem muito; não existia nada mais excitante para uma mulher que um homem que se importasse realmente com ela.
— Eu estou bem. Foda-me. - respondi, sem querer dar o gosto para ele do medo e ao mesmo tempo tesão que me envolvia.

— Diga agora se você quiser que eu pare. Caso contrário, vou foder você. Duro. Eu vou fazer você gritar, Ayeska.

A imagem que suas palavras evocaram, quase me levaram ao orgasmo. Minha boceta se apertou em torno da cabeça do seu pau e o puxou para dentro, esperando pelo prazer que ele podia me dar.

Ele empurrou então, o suficiente para entrar metade de seu pau.

— Mais? - perguntou enquanto a sentia apertar em volta dele, seu membro duro , mas tão duro que chegava a doer.

— Mais. Por favor. - respondi num gemido.

Eu esperei, porque sabia o que estava vindo. Mas em vez de mergulhar dentro de mim em uma estocada, ele se debruçou acima de minhas costas e procurou entre minhas pernas, meu clitóris e o massageou com seus dedos.

O prazer espiralou em meu útero, crescendo mais forte, mais quente, com cada golpe perito daquela mão grande. Em poucos segundos, eu estava pronta para o clímax.

Como se ele, instintivamente, conhecesse meu corpo, removeu sua mão, enterrando sua rola até a base.

Eu gritei e cravei minhas unhas na mesa, descendo minha fronte para a madeira fresca e levantando meus quadris, para que ele empurrasse, atolasse mais fundo. Bem fundo e forte.

”- Oh, Deus, a dor era intensa quando ele atingiu meu útero com cada punhalada. Mas era oh, tão doce ao mesmo tempo.

Eu nunca me senti completamente invadida antes.Seu pau arranhava toda parte da minha boceta, repetidamente, fazendo com que surgisse uma erupção de fluidos a escorrer e o inevitável orgasmo.

- Não goze. — ele comandou, parando seus movimentos.

- Sua bocetinha está tão boa, disse com voz rouca. Tão estreitinha e tão boa. Gostosa…-AH, Ayeska - disse entre dentes enquanto investia ávido com estocadas longas com o pau pulsando duro feito pedra, chegando até o fundo do seu útero, estava muito excitado, tinha que se enfiar mais…-

"Como ela era apertada, quente."
- Puxe-me com força… Sugue-me com sua bocetinha.

Eu tentei duramente conter-me, mas era tão difícil. Eu estava quase lá! Tão pronta,tão molhada, se eu me movesse um pouco, tombaria.

Um afiado tapa em meu traseiro conteve meus quadris contra ele. Outro tapa, eu parei.

— Não goze até que eu diga a você. - ordenou ele.

" Ele pensou que espancar-me iria diminuir a necessidade de gozar? A doce dor só fez minha boceta ondular em ondas de orgasmo iminente. Eu lutei contra as sensações, contendo-me porque era isso o que ele procurava. Mas com cada punhalada,cada estocada, o prazer parecia aumentar e se prolongar dentro de mim. Eu me senti como se estivesse sendo totalmente aberta. Ele me possuia selvagemente, estocando tão duro seus golpes que eu batia contra o lado da mesa.

Meu corpo no dia seguinte estaria cheio de marcas, a pele branca e sensivel sentiria no dia seguinte.

Meu sangue aquecia a ponto de ferver e eu senti sensações estranhas emanando dentro de mim.. Uma necessidade feroz para possuir, dar mordidas nele, em uma paixão faminta, que era mais animalesca que humana.

A respiração dele aumentou, seus dedos seguravam em meus quadris como garras afiadas. Eu podia ter jurado, que ouvi ele rosnar, seu corpo roçando duro contra o meu, quando ele se debruçou para frente e empurrou meu cabelo para o lado, metendo seu pau mais fundo e então afundando seus dentes na carne macia e com algumas sardas do meu ombro.

A dor era tão prazerosa que eu podia ter gozado. Choraminguei, tentando sem palavras deixá-lo saber que eu não poderia segurar mais o orgasmo prestes a explodir.

Implacavelmente, ele continuou se movimentar, estocando e retirando enquanto lambia meu pescoço. Mordiscava minha orelha,pescoço e novamente o ombro.

Uma veia palpitava no meu pescoço.

O cheiro de sexo encheu o quarto. Os únicos sons eram do pau dele, batendo dentro da minha boceta molhada e seus gemidos ofegantes, seguido por seu feroz gemido, que fez surgirem calafrios de excitação e medo dentro de mim.

Seu sussurro severo penetrou meus sentidos exaltados.

— Aperte meu pau com sua boceta. Que boceta apertada…Goze para mim, agora. Goze, Ayeska…estou mandando…

Ele quase, não conseguiu terminar a frase, antes que eu gritasse a plenos pulmões, agradecida pelos quartos à prova de som do clube. Ondas de contrações chegavam, em dupla com as fortes estocadas, quase, duras dele, me erguendo do chão, trazendo lágrimas ao meu rosto, quando senti o orgasmo mais intenso de minha vida.

Ele rosnou novamente e soltou um uivo feroz.

— Você é minha, Ayeska. Minha! — Tenso, ele segurou seus quadris enquanto despejava jato depois de jato de sêmen nela até que desmoronou contra ela, arquejando severamente, sua respiração quente acima do corpo branco, macio e perfumado dela.

Depois de um minuto de descanso, ele se retirou de dentro de mim. Eu me agarrei a ele, quando ele aprofundou o beijo, e lembrei o que ele disse quando gozou.

”- Minha.”

Estremeci de excitação, os pelos loirinhos dos meus braços se arrepiando.

”- Por aqueles breves momentos, Eu fui Dele. Eu pertenci a ele e ele a mim.

Mas aquele momento estava terminado. O que aconteceria agora?

O que eu queria que acontecesse?”

Estava quase com medo de pensar sobre isto.

De fato, não pensaria sobre isto. Eu simplesmente me segurei nele e aproveitei o beijo sem fôlego.

Nada do que aconteceu até agora parecia com qualquer sensação em meu mundo normal.

No momento, sem fôlego parecia muito bom.

Like this post
O início de tudo

Nunca fui uma aficionada por BDSM, mas após ter sido dominada por aquele desconhecido algumas coisas mudaram em meu íntímo.

Como voluntária e aprendiz, queria me tornar uma Dominatrix, mas sabia que o caminho a percorrer e a chegar iria demorar.

Sexta-feira a noite. Lua cheia.

Cheguei naquele clube num local afastado da cidade, onde tentaria ser a Dominadora e não a Dominada.

Mas pelo visto aquela noite me traria muitas surpresas.

Esperava ter muitos “clientes” naquela noite, procurando por mim, para apanharem, serem chicoteados e dominados ao meu capricho.

Após vestir meu uniforme de Dominatrix, coloquei minhas roupas normais em meu armario , bati a porta de metal o fechando com um cadeado.

Ainda tinha receio pois considerava o BDSM extremamaente pesado para mim, mas ao me lembrar daquele desconhecido, sentia minha xoxota emudecer de tesão. Olhando-me noespelho do quarto onde eu tentaria ser uma Dominatrix, vi minha imagem: meu cabelo ruivo puxado para cima da minha cabeça preso por uma faixa de couro preto. A roupa de couro preta e o batom preto completavam a imagem no espelho.

Eu ri silenciosamente ao pensar em caminhar lá fora com minhas botas de couro, alta até a coxa de saltos de quinze centímetros. O espartilho de PVC e a calcinha preta muito apertada que revelava mais do meu traseiro do que eu mostraria fora do clube. Então novamente, nesta parte da cidade, ninguém se incomodaria..

— Ayeska, seu primeiro cliente está aqui. Você vem até a mesa da recepção, por favor?

Eu suspirei ao ouvir a voz de Ana no alto-falante e abri a porta da minha câmara privada, rumo ao salão de entrada, se preparando para o cliente número um da noite.

— Sua Dominatrix da noite, Ayeska, estará com você em breve. -falou Ana.

— Uh-huh. Obrigado. — Ele observou o lugar, a área da recepção do Clube tinha uma iluminação baixa. O ambiente era escuro, com mobília de madeira de cerejeiracandeeiros de parede que emitiam luz e música suave e sensual.

" Como seria a sua Dominatrix?"

Sua resposta veio na forma de uma deliciosa, garota ruiva descendo corredor abaixo. A granada explosiva caminhando corredor abaixo era uma pessoa totalmente diferente do que ele vira e imaginara.

Vestida, completamente, em couro de PVC preto, ele cobria toda polegada de seu corpo, como uma deusa, em botas até as coxas de salto alto, seu cabelo ruivo e brilhante preso em um rabo-de-cavalo balançava à medida que ela andava. Os seios, redondos e inchados, ameaçavam sair do inaceitável colete.

Ela parou em frente a ele, sua cabeça balançou ligeiramente, quando olhou seu corpo da cabeça aos pés.

O movimento deixou seu pescoço exposto, uma de suas partes favoritas, em uma mulher. Tão tenra, tão sensível, despertando o pensamento de possuir aquela coluna esbelta de carne, enterrando seus dentes em sua nuca, segurando-a e fodendo. A expansão cremosa de sua garganta pareceria boa para se colocar uma coleira, também. Desde que ele a segurasse. Ele não era um sub e sim o Mestre. Estava lá para testá-la. Ela era voluntária e aprendiz e queria ser uma Dominatrix.

Sabia que ela era voluntária lá e trabalhava durante o dia em algum lugar desconhecido para ele.

Ainda não podia recuperar-se da transformação. Sua calça jeans azul e a blusa enorme na qual ela chegara vestida, eram como noite e dia, comparado com o traje de bomba sexual que ela vestia agora.

Não que se importasse por seu traje atual. De qualquer modo, ela o excitou. Uma tremenda excitação. Ele se coçava para lançá-la no chão do salão da recepção e empurrar seu pau duro dentro dela, afundar seus dentes na carne branca e macia de seu ombro e a segurar no lugar, enquanto a montava para um clímax duro. Ele estremeceu. Não ainda.

A imagem que ela apresentava, era de uma mulher acostumada a mandar. Pelo menos externamente.
Sua sobrancelha se ergueu, quando ela levantou o papel, o olhando com interrogação.

Sim, ele pagara por ela pela noite inteira. Uma hora não seria suficiente. Precisava da noite inteira e mais com ela. Já a tinha observado antes, já a tinha seguido. Mas iria surpreeende-la naquela noite.

— Você está certo sobre isso? — Ela perguntou, acenando o recibo dele, quando deixou o balcão.

— Sim.

— É muito dinheiro.

— Eu tenho muito dinheiro. Vamos começar.

Encolhendo os ombros, ela se moveu com ele em direção ao corredor.

— É seu dinheiro. Siga-me.

Ele puxou a respiração e tentou não babar, enquanto seguia seu traseiro pelo corredor, vagamente iluminado. A coisa do espartilho apertado e a pequena calcinha que vestia ajustada, acima da curva de seus quadris e estreitadas através de suas nádegas, mostrando mais que um pouco de seu traseiro bem formado.

Seu pau saltou. Ele não gostava de mulheres fracas demais. Ela tinha corpo de mulher. Corpo de mulher real. Seios, traseiro, quadris, pernas e coxas que favoreciam um homem a cavalgar entre elas. Sim, ela era perfeitamente formada em todos os lugares certos.

Os lugares que ele gostaria de lamber, chupar, morder e foder. E iria. Tudo em seu tempo.

Ela poderia querer ser a Dominatrix neste lugar, poderia suprir todos os tipos de homens que imploravam ser mandados por uma mulher, mas ele não era não desse tipo de homem. Ele era o Mestre. Mas ela não o sabia.

Quando o levou de volta para o seu quarto, ele sorriu no balanço confiante de seus quadris. Sim, ela pensava que estava no comando aqui, mas ele estava para virar a mesa. Logo teria seu traseiro, desnudo e a sua mercê para ser fodido.

Suas bolas doíam, só de pensar em dar, exatamente, o que sabia, que ela procurava, precisava e almejava.

Algo estava faltando na vida de Ayeska.

ELE!

Suspirando fortemente, eu digitei o código para o meu salão privado e abri a porta, me movendo para o lado de dentro com o desconhecido. Eu gostava da iluminação moderada ali, as luzes das velas entremeadas ao longo do quarto. Não só sugeria sensualidade, também forneciam uma cera quente maravilhosa, quando eu queria usar em meus clientes.

Além disso, os odores e a iluminação a acalmavam.

Algemas, prateleiras de metal e mesas de aço não eram exatamente o tipo de mobília que eu apreciava. Então compensava onde podia, fazendo meu quarto um santuário de luzes sutis e cheiros sensuais.

Estava na hora de iniciar o ato.

— Se mova para o centro do quarto. — eu disse, usando meu tom de “estou-no-comando-faz-o-que-eu-falo-ou-então”… — Não fale a menos que seja solicitado.

Ignorando-o me movi para a parede a procura de dispositivos, do tipo “me-bata-me-machuque-me-faça-gostar”, de sua estante, selecionando um longo chicote preto com pontas, seguramente, para produzir marcas no traseiro dele.

Ele permaneceu no centro do quarto, seu enigmático olhar fixo em mim.

— Olhe para o chão, não para mim. — eu disse em voz de comando.

Não era típico em homens como ele, mas ela podia ter jurado que viu um arremedo de sorriso em seus lábios, antes de deixar seu queixo cair no tórax.

— Mãos atrás das costas, juntas.

Aproximei-me e caminhei ao seu redor. E o observei.

A calça jeans que ele usava apertava suas coxas e mostrava um traseiro bem formado, sua camisa estirava e apertava, através de seu largo tórax e plano abdômen. As mangas de sua camisa enroladas para cima, libertavam seus bíceps. Suas mãos fizeram com que eu salivasse, mãos de homem, grandes com dedos longos, que poderia imaginar muito bem empurrando com força dentro e fora da minha boceta. Esta por sinal latejava, aquele homem me excitava. Não era nada bom isso, pois eu tinha que domina-lo e não ser dominada e tudo que conseguia ver dentro da minha mente , era ele me fodendo, me comendo.

"Oh, o que um homem como esse podia fazer comigo."

Tinha que me concentrar no meu aprendizado. Eu havia colocado na cabeça que queria ser uma Dominatrix e ponto final.

— Assim é que vamos trabalhar. Vamos tirar suas roupas e o prenderei na cadeira. — expliquei, estalando o chicote acima do metal da cadeira na frente dele. — Então eu vou ter alguma diversão com você. E você vai gostar disso.

Não respondeu. Bom menino.

Mas percebi duas covinhas em seu rosto. Como se sorrisse.

— Acha algo divertido?

— Você poderia dizer isso.

Quase ri. Um sub nunca falava com um Dom daquela maneira. Talvez ele não entendesse as regras da dominação e submissão.

— Você já fez isto antes?

— Não… desta maneira.

Sua voz fez com que eu ficasse mais molhada. Baixa, com um leve desprezo como se soubesse algo que eu não sabia, caiu sobre meus nervos e me fez pensar em sexo, quente, travesso e perverso. Palavras sussurradas na escuridão. Comandos, articulados naquela voz severa, fazendo-me se curvar a sua vontade.

Deus, ela realmente precisava de um orgasmo!

— Deixe-me explicar como funciona, então. Eu digo a você o que fazer, e você faz. Quando eu perguntar algo, você responde, seguido com “Senhora” , um termo de respeito por sua Dominatrix. Você só falará se eu o questionar diretamente. Entendido?

— Sim.

— Sim, o que?!

— Sim… Senhora.

De alguma maneira duvidei da sinceridade daquela resposta.

Não importava. Tinha muitos chicotes, algemas e palmatórias para bater. Ele deixaria esse lugar se sentindo como se tivesse conseguido muito mais do que seu dinheiro comprou.

— Tira a roupa. —ordenei estalando a ponta do chicote contra sua palma para dar efeito. A dor afiada contra minha pele tenra, me lembrou, o quanto queria estar na ponta de uma destas coisas.

Sem vacilar ele agarrou sua camisa e a puxou para cima de sua cabeça, revelando uma expansão larga de músculos de tórax bem trabalhado. Eu enrolei meus dedos em minhas palmas para impedir que minha mão corresse pelo seu tórax.

Seu cheiro me excitava. E me tirava a concentração.

Ele tirou suas botas, então, foi para a fivela do cinto. O som de metal áspero contra o couro me fez tremer.

O som de seu zíper abrindo fez minha boca secar e ao mesmo tempo salivar.

Oh sim, ele era um sub, certamente.

A evidência de sua excitação era difícil de ignorar, dado o tamanho do mesmo. Só olhando, fixamente, para baixo, sua ereção,

seu pau era espesso, longo, com uma cabeça púrpura que gritava por minha boca.

Ele era o primeiro cliente que me deixava quente. A maior parte deles, não fazia nada para minha libido.

Em minhas fantasias naqueles breve instantes com ele; ele era forte, dominador, espancando meu traseiro nu, enquanto me fazia gozar inúmeras vezes. A realidade dele sendo um submisso, não tinha sido computada, ainda, em minha mente.

Meu vibrador, iria conseguir um inferno de um treinamento quando eu chegasse em casa.

— Sente-se para que eu possa amarrar a correia em você.

— Eu tenho uma ideia melhor. Por que você não ajoelha e chupa meu pau?

Apesar do calor que senti entre minhas pernas, pelo comando duro de suas palavras, eu soube que ele apenas me desafiava. “-Então esse era o jogo que ele queria jogar”.

Ergui meu queixo, levantando o cabo do chicote, para descansar em meu ombro.

— Como ousa! Você será castigado por me desobedecer!

Meu braço foi para frente, pretendendo deixá-lo sentir a dor do chicote através de seu tórax. Mas o couro nunca alcançou meu objetivo, seus movimentos, tão rápidos como a de um raio, momentaneamente paralisou-me no lugar.

Em segundos, ele arrancou o chicote de minha mão e fui esmagada no abraço muito forte, do homem desnudo.

— Eu tive quase o suficiente, da merda desse jogo. Agora nós vamos fazer do meu modo.

O choque me congelou no lugar. Eu procurei seus olhos. Reconhecendo o oh-tão-macho alfa.

Não existiam os modos servis de um submisso, não se curvou para baixo antes, nenhum olhar de medo esperançado por sua desobediência descarada. Seu pau ainda erguido, apertado contra sua pélvis e ele não parecia preocupado sobre estar desnudo, enquanto eu estava completamente vestida.

Bom, tipo, completamente vestida, considerando meu traje.

Então que tipo de jogo ele estava jogando? Nenhum submisso tomaria o controle de seu Dom. Nunca.

— Você não é um submisso.

Havia o mesmo sorriso que ele havia mostrado mais cedo.

— Dificilmente. Eu gosto de tomar o controle. E eu quero que uma mulher queira que eu tome isto dela.

Uma excitação vertiginosa começou a se construir, junto com a minha irritação em ter sido tocada.

Mas com que propósito? Por que ele entraria aqui e fingiria ser algo que ele não era?

— Você se importa em me dizer o que está acontecendo? — perguntei.

Seus lábios torceram num sorriso sarcástico. Isso de “não-aceito-ordem-de-ninguém” em sua expressão, significava um homem que estava no comando de seu próprio destino, e tudo tinha que ser a seu modo.

— Você quer gastar a noite conversando sobre isto, ou quer que eu dê a você, exatamente, o que quer?

— Eu não entendo.

— Sim, você entende. Você quer um homem para tomar o controle da situação. Você quer um homem que a prenderá nua e a fará fazer o que ele quer. Você quer um homem para comer e foder você, até que perca sua mente, até que esteja chorando e implorando para parar. Você quer um homem que não parará.

”- Oh, Deus”- A umidade escorria do meu canal, excitada pelas palavras, com a promessa de cumprir minhas fantasias que eu apenas sonhei. Ele sabia, conhecia, exatamente, minhas necessidades.

"Mas como? Era possível? Ele realmente não sabia nada sobre mim. Então como podia saber meus desejos?"

— Você está se fazendo um milhão de perguntas agora mesmo, Ayeska. Não faça. Deixe sua mente à vontade. Eu sei, porque eu sou o escolhido para conhecer você. Eu posso dar a você o que quer, e você pode dar a mim o que eu quero. Não procure por resposta onde nenhuma existe. É o que é.

Suas palavras não fizeram sentido. Eu devia ter medo, mas o estranho era que eu não sentia medo nenhum. Curiosidade, sim.

Excitação, oh inferno sim. Mas não me assustava.

Ele era direto pelo menos, mas eu tinha um milhão de perguntas.

Mas aquelas perguntas não podiam esperar até mais tarde? Agora mesmo, ele me ofereceu algo que eu queria e precisava muito, quase podia gozar só de pensar sobre todos os modos com que ele poderia me dar prazer.

— Uma palavra, Ayeska. Isto é tudo o que eu preciso ouvir. Uma palavra.

Eu sabia a palavra que ele buscava, e o fato de que a pedisse, fez toda a diferença para mim. Eu soube que se não fizesse isto, lamentaria para sempre, então, eu dei aquele desconhecido a palavra que ele queria ouvir.

— Sim.

O chicote caiu no chão com uma pancada suave. Ele me afastou de seus braços, mas só por alguns segundos. Com uma mão ele prendeu ao redor de minha cintura, com a outra segurou meu rabo-de-cavalo, puxando-o até que as lágrimas caíssem dos meus olhos. Sua boca desceu sobre a minha, duramente, sua língua invadindo como que reivindicando o prêmio.

A surpresa e o calor se uniram como uma carga de eletricidade líquida em minhas veias. Pela primeira vez, em um tempo muito longo, eu me senti como se fosse um prêmio. Seus lábios falavam de possessão, de tomar, de roubar, duro e furioso. Eu me agarrava a ele, enterrando minhas unhas na carne rija de seus ombros. Ele devorou meus lábios e língua até que o mundo deixou de girar em meu eixo.

Sua boca era dura, castigava, me dizendo as regras do jogo com cada punhalada de sua língua. Ele tomaria. Eu daria. E eu apreciaria dar a ele o que ele quisesse.

Essa à noite eu teria o que procurava. Ou de preferência, deixaria ele tomar o que ele procurava, e na minha vez eu conseguiria exatamente o que precisava.

Ele me empurrou e eu choraminguei, necessitando estar nua e sentir aquele contato corpo a corpo, Eu dei um passo atrás, quando ele me empurrou novamente, deixando-o guiar aonde ele queria. Ele parou no meio do quarto e quebrou o contato do meu beijo, virando-me de costas para ele. Os dedos mornos alisando minha pele, enquanto ele começou a desatar as rendas do meu corselete. Ele parecia não ter nenhuma pressa, mas o tempo que levou para desatar as fitas me deu uma oportunidade ampla para pensar sobre que estava fazendo.

As juntas dos dedos dele passaram por minhas costas, quando ele puxou o colete separadamente, seus dedos arrastando devagar acima de minha coluna, produzindo calafrios. Minha boceta doía com a necessidade de sentir um pau duro dentro dela.

Eu precisava foder!

— Deixe suas botas. — ele sussurrou acima do meu ombro, puxando o colete para longe do meu corpo e agachando até tirar minha calcinha. Quando levantou, ele me virou para enfrentá-lo. Ele tinha o olhar de um predador faminto, seus olhos uma escuridão enquanto passava por meu corpo. Ele alcançou acima de mim, puxando os punhos de uma corda que oscilava presa em uma barra de aço no teto.

— Estes parecem divertidos. Dê-me suas mãos.

Eu as ofereci, enquanto ele deslizava os punhos em meus pulsos.

Quando terminou, meus braços estavam para cima com a tensão na corda, automaticamente, apertada.

— Maldição, sua boceta depilada… Tão suave e lisa. Você pode imaginar o que sentirá quando eu colocar minha língua nela? O calor abrasou meu sexo, pela imagem que suas palavras apresentaram.

Eu corei, mas não respondi. Ao invés disso, assisti extasiada como ele alcançou e arrastou as pontas do dedo acima de minha clavícula, alisando com a palma entre meus seios e descansando lá. Minha respiração deu um tremor como se implorasse para que ele tocasse nos mamilos que pulsavam.

— Você quer que eu toque em você?

— Sim.

— Bom… Eu quero tocar em você. Eu tocarei em você. E você me tocará. Nós temos a noite toda para explorar e chegar a conhecer um ao outro. Eu queria isto, pensei sobre isto durante algum tempo. Mas não quero apressar as coisas.

" Ele havia pensado sobre ela?" O pensamento, enviou uma excitação as minhas terminações nervosas.

Ele se ajoelhou e pegou meus tornozelos, posicionando meus pés próximos aos punhos presos a um marco no chão.

Quando terminou, ele me olhava.

— O odor de seu sexo enche o ar do quarto. Escuro e almiscarado. Você precisa gozar, Ayeska?

— Sim. — respondi, a batida do meu coração acelerando.

Ele era o símbolo do menino mal que as boas meninas não deveriam se envolver.

Eu sempre fui uma boa menina.

E agora eu estava algemada, vulnerável e a sua mercê. Mas em vez de medo, uma picada afiada de expectativa quente se fazia sentir entre minhas pernas, fazendo o meu clitóris pulsar com o desejo desesperado pelo pau daquele desconhecido. Só esta noite e eu ficaria satisfeita, cheia com imagens para suprir minhas fantasias por um bom tempo.

Depois eu voltaria a ser uma aprendiz. Ser uma Dominatrix.

Eu tive pressentimento de que sexo com aquele desconhecido seria uma experiência inesquecível.

Suas mãos passaram acima do meu corpo, quando ele lentamente foi em direção as minhas botas. Eu desejava ter permissão para tirar as botas, assim podia sentir seus dedos fortes me tocando e massageando meus músculos.

Quando ele alcançou o lugar onde minhas botas terminavam e a pele de minhas coxas brancas, estavam expostas, ele se demorou lá, roçando seus dedos em torno da extremidade exterior de minhas botas. Depois, se moveu para cima, finalmente tocando minha pele nua.

De joelhos, seu rosto estava no nível da minha boceta. Seu olhar se focou lá e ele colocou suas mãos na parte de trás de minhas coxas, apertando minhas nádegas e puxou meu montículo para mais perto de seu rosto.

" -Sim, por favor, oh, por favor, lamba-me!"

Mas ele parou, respirou fundo e fechou seus olhos, então descansou sua fronte contra a minha barriga, apertando as polpas de minhas nádegas com seus dedos, cavando duro em minha carne como se ele estivesse tentando lutar por controle.

Ele se debruçou e passou a ponta de sua língua contra o montinho de carne cobrindo meu clitóris, então, firmemente, fixou sua boca ali.

Eu não percebi que parei de respirar até sentir que me faltava ar.

Lutando por uma respiração, eu só podia choramingar, quando ele moveu sua língua como uma serpente acima do montinho da minha carne.

Ele devorou minha carne como se estivesse morrendo de fome por mim. Desesperadamente faminto, mordiscando e lambendo toda a minha umidade. Seu ataque voraz abasteceu o fogo que queimava dentro de mim, minhas pernas tremiam amolecidas e se eu não estivesse algemada, teria caido.

Como se a sensação de sua língua alisando e passando acima de minha boceta nua não fosse erótico o suficiente, vê-lo só me fez com que empurrasse minha pélvis para frente, ávida por sentir sua língua quente vagando por toda parte do meu canal.

Eu não tive escolha, nenhuma fuga, só podia aceitar a implacável tormenta, gerada com as lambidas em meu sexo.

Ele separou minhas dobras e lambeu comprimento abaixo, então enfiou sua língua dentro de minha boceta.

Um gemido baixo escapou dos meus lábios e estremeci contra sua boca ávida.

Sua língua me levou para o nirvana , e eu procurei me aproximar mais, rugindo o clímax que seguramente produziria gritos altos suficiente para derrubar as paredes ao meu redor. Só alguns segundos mais e…

Ele parou e levantou-se. O ar fresco do quarto bateu na minha quente e molhada boceta e eu me senti imediatamente vazia sem o calor de sua língua. Meu corpo se agitou quando pairou no precipício do orgasmo.

Confusa, eu o olhei.

O alívio passou por mim quando ele apertou seu corpo contra o meu, alcançando acima de mim para fechar seus dedos ao redor de meus pulsos. Seu pau era de aço duro e quente quando ele deslizou entre minhas coxas, balançando-o contra o inchado e pulsante monte entre minhas pernas.

— Você quer gozar? — Ele falou, apertando sua boca na minha e deixando-me saborear meus próprios sucos.

Quando ele se afastou, eu movimentei a minha cabeça:

— Sim, você sabe que eu quero.

— Beije-me.

Eu me joguei, debruçando adiante e encontrei sua boca, e desesperadamente desejando que ele voltasse para baixo e terminasse o que começou.

Ele agarrou meus pulsos e empurrou sua ereção entre minhas pernas até incendiar o meu grelinho. Eu queria implorar para ele parar, então, implorar para não parar. Nunca. Eu só queria que esta necessidade, esse tormento terminasse.

Eu devo ter gemido alto, porque ele se moveu para baixo em meu rosto, acariciando minha bochecha muito ternamente, que eu podia ter chorado. Então ele alisou sua palma acima do meu peito e quadris.

Gemi quando ele tocou meu sexo com a palma de sua mão e começou a balançar de um lado para outro. Choraminguei contra sua boca, devorando seus lábios, saboreando seu próprio desejo ao mesmo tempo em que eu molhava sua mão com mais umidade.

Meus seios tocavam seu tórax, meus mamilos se apertavam em cumes afiados e sensibilizados. Tudo isso indo diretamente, entre minhas pernas.

E ele moveu sua mão, controlando-a completamente.

Como podia alguém que realmente não me conhecia saber que eu tinha tal consciência de seu corpo? Será que eu emitia algum tipo de sinal?

— Se segure e não goze até que eu diga.- sua voz me excitando mais e mais.

Ele segurou minhas nádegas com sua mão livre e me puxou contra ele, deslizou dois dedos em minha xota e começou a dar estocadas duras e rápidas, dentro e fora de minha boceta encharcada.

Parte de mim queria brigar com ele, deixá-lo saber que eu não era fácil, que eu não daria a ele o controle completo

— Eu… não posso. — eu falei, friccionando meus dentes. Eu soube que ele queria me dominar, me controlar.Eu queria esta dominação completa sobre mim, mas ao mesmo tempo, uma parte minha queria tomar o controle.

Ainda que eu não pudesse conter-me. Quando ele puxou a minha mão, eu mentalmente admiti a derrota, soube que faria qualquer coisa, qualquer coisa para ter aquele prazer de novo.

— Certo. — eu disse em grandes fôlegos. — Eu farei isto.

— Boa menina. — Ele manteve seu olhar em meu rosto, quando mergulhou seus dedos entre as dobras cremosas de minha fenda, enfiando duro, castigando com estocadas que machucavam e excitavam tanto que eu queria embrulhar minhas pernas ao redor de seu braço e forçar sua mão inteira em minha boceta.

O orgasmo pairou. Eu podia facilmente sair e ele sabia disto, ainda que ele continuasse a me atormentar com seus dedos. EU tive que conter-me. Tive que segurar-me.

Isto era o que ele procurava. Se eu desse a ele o que ele procurava, ele daria meu clímax.

— Você quer agora? — O sussurro severo de sua voz era como sexo com o diabo. Eu senti como se estivesse desistindo de parte de minha alma por ele.

E não me importei naquele momento. Daria a ele qualquer coisa agora mesmo.

— Sim, eu quero isto… Agora. Por favor, … Agora.

— Então goze para mim. Despeje todo o suco dessa boceta na minha mão. Faça seu canal vaginal apertar meus dedos, duros. Faça isto, Ayeska. Faça isto agora.Estou mandando! Voce é minha! Minha escrava!

Meu corpo estremeceu e se inclinou fora de controle.Eu balançei e gritei,minha boceta tremendo e apertando contra seus já, enfiados dedos, até que eu fiz exatamente o que ele pediu que eu fizesse, inundei sua mão com meu gozo.

Apreciei cada segundo, até aquele desconhecido remover seus dedos e eu pendurada lá, fraca, incapaz.

Quando pude, finalmente, erguer minha cabeça, ele estava a alguns metros longe, seus braços cruzados, sua ereção longa e espessa e com a cabeça púrpura.

Eu soube então que o que havia experimentado era o início de algo. O melhor ainda estava por vir.

Like this post
SEXO COM DIREITO TAPAS E CHICOTE

…Gina é uma garota que gosta bastante de sexo, em toda sua plenitude, sem reservas. Despudorada, ela gosta de ir quase ao extremo para realizar suas fantasias.Nesse fim de semana ela deseja saciar e ser saciada. Já na praia, ela se encontra com seu ficante, que se chama yago. Na porta do seu apartamento os dois se encontram. Sem emitir nenhuma palavra, ambos se entregam a um longo e ardente beijo. Fechando a porta atras deles, começam a desnudar, enquanto as caricias tomam um rumo mais atrevido. Pequenos tapas eram dados por yago em Gina, fazendo-a se sentir mais poderosa. Você gosta ne sua safada, você gosta de apanhar ne? hoje irei sciar todas as suas vontades, você vai ver. Yago a poe de costas, deslumbrando sua bunda, ao mesmo tempo palmadas eram dadas naquela deliciosa bunda. Apartir desse mometo, Yago pega um lenço, venda os olhos de Gina e a leva para um quarto, onde está tudo preparado para uma noite de sadomasoquismo. Suas mãos amarradas no alto de um poste no meio do quarto e em pé, vendada e sem saber o proximo passo de Yago. Gina ia imaginando tudo que Yago faria com ela. Yago vai roçando sua rola na bunda de Gina. pequenas mordidas com vontade nas costas de Gina, enquanto suas mãos vão acariciando seus peitos. suaves gemidos eram ecoados por todo o quarto.Yago agora começa a pegar mais forte, pega um chicote após se afastar de Gina e sem ela esperar dá uma chicotada leve, e Gina solta um grito, não de dor, mais de prazer. Vendo que ela gostava, Yago continua a bater sem reservas, e de vez enquando para pa dar uma aliviada nas chicotadas. Caricias eram feitas naquele corpo. sua boca percorria toda a parte de tras de Gina. seus dedos iam tocando com firmesa a bucetinha de Gina. sussurando Yago pergunta, tá gostando cadela? vou tirar seu couro esta noite, você vai ver, espera. Eu quero mais e Yago da um tapa na cara dela. toma vagabunda. e o tapa estala em seu rosto. submissa ,Yago começa a enfiar sua rola, castigando aquela bunda com bastate vontade, ele metia com força. com uma mão ele segurava os cabelos dela e com a outra ele controlava a situação e matia na bunda de Gina. enfiavas no rabo dela, com estocadas profundas faziam Gina urra, e gemer. tirando sua rola daquele cuzinho Yago imediatamete metia em sua buceta, e assim ia reversando, ora no cuzinho dela, ora na bucetinha dela. Ao alacançe de suas mão estavam tudo que ele iria usar. pegando uma palmatoria ele enquanto metia, batia naquela bunda com vontada, enqunto se inclinava sobre ela para morder sua costas e seu pescoço. o vai e vem de seu quadril, fazia Gina gritar. desvendada, Gina é lavada para a cama e de quatro Yago mete se dor e piedade naquele rabo. Longas metidas, agora Yago queria castigar com vontade aquela buceta. e ele enfiava ate quase entrar a bolas. Gina gritava casa vez mais e isso fazia Yago sentir mais tesão. Agora Yago a poe de frango assado, enterrando sua vara todinha, enquando ele batia naquela cara. diz que você está gostando, diz sua puta. tomo rola , toma sua cadela. Yago mordia seus peitos até arrancar da boca de Gina gemidos e suplicas de quero mais. Com sua rola todinha enterrada naquele cuzinho, Yago agora pega um penis de borracha e enquanto metia sua rola naquele buraquinho, ele metia aquele penis de borracha na bucetinha dela. Ela rebola e seu cuzinho ia mordendo o pau de Yago. depois de longas mordidas, Yago não aguenta e grita, euu estou gosando sua vaca gostosa. Um longo goso, e nem mesmo assim seu pau fica mole,e as enterradas continuam sem que Yago tire seu pau para fora depois do goso. ele senta a pua, agora querendo que Gina chegue a plenitude do prazer. E uns 20 minutos depois Gina finalmente gosa abundantemente naquele pau delicioso.

Like this post
A Aprendiz

Ela estava em pé no meio de uma sala muito ampla, a sala era estilo rústico com um tapete enorme grosso, um sofá em forma de ”L” revestido de couro marrom com estofamento muito macio,uma lareira que estava acesa mantendo o ambiente de inverno com um calor agradável na parede tinham pinturas que retratavam inúmeras mulheres de forma submissa algumas com peças de roupas outras nuas, mas todas muito eróticas,nada explicito. A parede era de tijolos a vista grandes e rústicos, tinha muito objetos pendurados ..chicotes de vários tipos e tamanhos, coleiras normalmente com pedras cravejadas, algemas cordas e outros objetos que ela mal conhecia “ainda”.

Aprendiz Rebecca:

Há pouco tempo eu tinha sido banhada por uma mulher negra magra mas com um corpo invejável, seios medianos coxas bem torneadas barriga retinha cintura bem formada, junto com a negra estava um negro alto forte corpulento, os dois estavam nus durante o banho em que ela era submetida, embora o negro lutasse contra a natureza o penis que era realmente grosso e grande teimava em começar a endurecer, porém o negro foi muito bem ensinado a não tocar no que era de seu Tutor, as suas mulheres ele tinha a vontade menos as que o Senhor Victor escolhia.
Logo depois do banho fui massageada com óleos aromático pelo negro e tive meus pelos pubianos e das axilas totalmente depilados pela negra. Em seguida me colocaram o vestido preto muito fino totalmente transparente, os mamilos levemente eriçados ficavam muito expostos assim como a púbis coxas e todo o corpo.

Eu estava pronta, era a aprendiz do Senhor Victor, estava ali para aprender a servir de todas as formas possíveis.

Fui levada até a sala e sabia que logo meu TUTOR iria chegar, sabia que ele tirará prazer do meu corpo e inevitalmente irei ter orgasmos múltiplos e isso a me deixa úmida tão úmida que as partes internas da coxas ficam molhadas escorrendo pelo meio de minhas pernas, sabia que devia esperá-lo em pé no meio da sala e não ousava me sentar, fiquei com a cabeça abaixada em sinal de submissão pronta para ser usada, por meu Tutor.

Ouvi o som de uma porta meio distante abrindo-se e os passos firmes cadenciados em direção da sala… (É ele) pensei.. minha respiração acelerou descompassadamente o corpo ficou arrepiado os mamilos endurecem mais ainda…

Senhor Victor

Ao entrar na sala a olhei fixamente, embora ela esteja com a cabeça baixa, percorri com o olhar todo o corpo exposto sobre o vestido transparente, me aproximei devagar e sem falar nada segurei seu queixo fazendo-a abrir a boca… enfiei dois dedos profundamente e começei uma felação com os dedos enfiando fundo e tirando enfiva até próximo de sua goela e tirava, sinti os dedos molhados com sua saliva ela começa a sugá-los avidamente.
Sem para a felação utilizando os dedos indicador e maior de todos da mão esquerda, com a mão direita procuro o mamilo esquerdo que seguro por cima do tecido fino do vestido e esfrego entre dois dedos puxando soltando, ela solta um gemidinho baixo mas não para de sugar meus dedos, eu troco pelo outro mamilo repito o que vinha fazendo, sinto-a tremendo de tesão .

Solto o mamilo e dessa vez procuro entre suas coxas a faço abrir as pernas em pé enquanto continua a felação, vou procurando entre seus grandes lábios conseguir segurar seu grelo que esta molhado, porém como meus dedos estão por cima do tecido do vestido consigo segura-lo e vou apertando… apertando, apertando até ela soltar um gemido alto seguido de um urro parando de sugar meus dedos …os dedos enfiados profundamente em sua boca ela deixa cair um filete de saliva pelo cantinho da boca já que não consegue engolir por estar gemendo num misto de dor e prazer sentindo seu grelo esmagado entre meus dedos.

Estou excitado com isso… solto o grelo, tiro os dedos de sua boca a seguro pelo ante braço a a levo até a parede a forçando contra os tijolos frios e rústicos puxo os seus dois seios para fora do decote, eles ficam forçados contra os tijolos… mordo seu pescoço próximo de sua orelha levanto seu vestido ligeiramente acima das nádegas e a faço segurá-lo assim com as polpas da bunda de fora… estico uma mão e pego um chicote de couro preto com várias pontas ..fico ao seu lado estico uma mão enfiando entre um seio e a parede seguro firme e assim do lado dou a primeira chibatada nas nádegas.. ela treme solta um gemido encosta a cabeça na parede, arrebita mais a bunda e segura as polpas meio que abrindo enquanto segura junto o vestido levantado(shhhlapt shhhhlapt shhhlapt) vejo as polpas branquinhas ficando avermelhadas… aperto firme o seio que seguro (shhlapt shhhhlapt shhhlapt) ela treme-se toda não sei se chora ou se geme de tesão…

Eu me abaixo de joelhos coloco minha mão por cima da dela forçando-a a abrir mais as nádegas, cheiro esfrego o rosto com a barba por fazer nas polpas vermelhas… lambo sugo a parte interna das polpas bem próximo das preguinhas do seu cuzinho. Passo a língua sobre as preguinhas lambo a buceta me levanto abro o zíper seguro suas ancas e penetro firme…
Dou estocadas fortes.. ela geme alto eu fodo forte e firme sem parar o meu saco que tb está de fora bate a cada estocada… Ela começa atremer tremer soluçar tentando se conter mas acaba num gozolongo profundo quase caindo ao chão se não a segurasse. Ela soluça ainda com ondas de prazer como choques que percorrem todo seu corpo…. Eu paro imediatamente seguro o queixo dela e viro seu rosto para trás ..ela me olha com aquele olhar de me perdoa!!! 
Dou um tapa forte em sua face ela deixa lágrimas rolarem pelo rostinho de anjo….

- Você tem muito que aprender ainda….. Hoje vou te ensinar um pouco mais

THEME